Memória fotográfica – Céu de corrida

Estava arrumando para ir dormir enquanto pensava “acho que vou deixar o post da madruga para depois”, porém olhei para o computador e me bateu um put* comichão nos dedos. Eis que estou aqui.

Sabe aqueles dias em que a cabeça está congestionada e tudo vira uma espécie de suplicio? Pois é, prazer. Sendo assim gostaria de continuar a pequena série de posts de algumas memórias fotográficas que guardo a sete chaves naquele famoso aplicativo de edição de fotos, cujo o nome tem quatro letras.

Entardecer no quintal de casa – Lembro que na ocasião acabara de chegar da minha corrida diária, habito que inclusive devo retomar, e logo corri para os o quintal pois havia percebido que o horário estava ideal para uma fotografia. Eis o resultado.

Tirada em Janeiro de 2017

Processed with VSCO with p5 preset

Tapajós/ Solimões – Onde cresci as ruas possuem nomes de rios, muitos deles da região amazônica, e durante minhas corridas, sempre passava por este lugar específico, uma espécie de descampado entre as ruas Solimões e Tapajós. Lembro bem daqueles finais de tardes, os pássaros cantando e os raios de sol entre as árvores.

Tirada em Janeiro ou Fevereiro de 2017, não lembro ao certo.

Processed with VSCO

Grande de mais para o Instagram – essa aqui foi tirada nas mesmas ocasiões das anteriores, durante minhas corridas, e pode parecer meio curioso mas esta aqui é um outro angulo da foto anterior, que me resultou nesse registro bem legal, que infelizmente não consegui postar no insta por conta do tamanho.

Tirada em Fevereiro de 2017

2017-02-27 07.01.30 1.jpg

Todas as fotos são apenas registros amadores, tiradas por um simples celular e que não precisam ser levadas a sério, são apenas resultados de um hobby pessoal. Algumas possuem qualidade visual e outras não, mas é isso que dá personalidade a elas 🙂

 

Escrito ao som de: Joji – Thom

Cultura de internet?

Hoje acordei com a cabeça literalmente f***da, e em meio as incertezas que a vida me presenteou (pretendo falar a respeito em breve), eis que recebo uma luz!

Obrigado, I.

Bom, tendo em vista a minha mudança de humor e ganho de potencia de agir, não pretendo transformar esse espaço em uma espécie de muro das lamentações pessoal, afinal todos tem problemas e está uma tarde bonita lá fora, a jabuticabeira da firma está dando frutos e não vejo motivos para reclamar, ao menos não por enquanto.

Bom, mudando de assunto e ainda nessa pegada mais alto astral, estou rindo internamente com uns memes que acabei de lembrar. Primeiramente temos esse, que arrancou tantas risadas de um amigo, que acabei rindo junto até a barriga doer:

1493436092833.gif

Não consigo parar de rir auahuahauh

tumblr_lx38bzt12i1qh59n0o2_250

Enquanto escrevia o post de ontem, fui procurar imagens da relação entre pais e filhos, eis que me deparo com essa gif maravilhosa. Só não virou capa do post anterior por ser extremamente pequena.

tenor.gif

Ainda na pegada dos Simpsons.

1479254083147.gif

Representação básica de como lido com meus problemas

1501032709978-2

Não existe risada capaz de expressar o que senti ao encontrar esse aqui pela primeira vez.

1502686041942.gif

Ah Siqueira, como eu te adoro!

Bom, já chega de spamar memes na vida de vocês, eu acho que vou ali chupar umas jabuticabas enquanto observo os carros passarem. Como já disse o Tame Impala, a solitude é uma benção. Espero que tenham soltado ao menos uma risadola nesse meio tempo que passamos juntos. Nos vemos na madrugada.

 

Escrito ao som de: Tame Impala – Solitude is Bliss

 

 

 

Nem mesmo eles estavam preparados

Das maiores dificuldades que enfrentei na vida, certamente acertar os ponteiros com meus pais figura dentre as mais difíceis, chegando a ser um processo delicado e minucioso.

Estava com o bloco de texto aberto para elaborar um post sobre música, quando de repente a janela do Discord começa a piscar na barra de tarefas, e um amigo manda mensagem comentando a dificuldade que existe na relação entre sua genitora. Me perdi em pensamentos e comecei a revisitar momentos muito difíceis que vivi, com essa temática.

Cada um sabe o peso dos próprios problemas, e longe de mim ficar medindo tragédia com esse amigo, ou qualquer um que venha ler este singelo relato, mas lembro bem da relação complicada que tive principalmente com meu pai. Segundo minha mãe e minhas viagens introspectivas, cheguei a conclusão de que boa parte dos meus problemas estão ligados a semelhança que existe entre o temperamento de meu pai e deste que vos fala. Nunca concordamos com nada mas sempre tomamos as mesmas escolhas, dadas as devidas proporções. A sintonia era tão grande que nos tempos de escola, usava essa noção para tomas decisões que possivelmente deixariam o homem zangado, coisas como “Ah, vou esticar o horário desse rolê porque sei que meu velho não vai ligar, afinal eu não ligaria se estivesse no lugar dele”.

Outra parte engraçada está naquela ideia de que os pais sempre sabem o que estão fazendo, afinal eles são nossas primeiras referências. Meu velho, me desculpe, mas seus pais e os meus estão tão perdidos quanto eu e você. A diferença é que eles são mais experientes em resolução de problemas e um pouco mais sangue frio, justamente porque não querem nos preocupar com aquilo que tira o sono deles.

No final das contas só precisamos ser mais pacientes com os velhos, sabe. Entender que eles foram moldados sob outras diretrizes, e que muitas vezes podem ter sido vítimas disso. O elo que existe entre nós e eles certamente é muito forte e aguenta quase todo tipo de pancada, mas não é por conta disso que vamos dificultar as coisas, não é?

 

Escrito ao som de: n u a g e s – Dreams

 

Engrossando estatísticas

Como jovem adulto me vejo em um momento de grandes decisões, porém algumas delas me fazem integrar estatísticas as quais, se me fossem faladas anos atrás, teriam como resposta um “Pff eu? Jamais!”

Pois é, o tempo é um verdadeiro mago, e como diria o Patolino ” O mago é implacável”. É com essa constatação que comecei a notar algumas mudanças as quais, anos atrás, eu me categorizava como inatingível.

Amadurecer. Meu primeiro contato direto com esse fenômeno se deu por meio de mudanças corporais, e chega a ser irônico pois naquela ocasião estava lutando contra o crescimento de meu próprio projeto de bigode. Em uma pegada parecida, percebi a abertura de um novo patamar para esse termo em minha vida. Em uma dessas manhãs, enquanto me arrumava para o trabalho, percebi os flertes de minhas madeixas com a Calvície. Sendo filho de um careca sempre soube da possibilidade à espreita, porém é como dizem por aí, a esperança é a última que morre. Afinal, vai que, né?!

Bom, minhas entradas fizeram perceber o quanto comecei a engrossar algumas estatísticas das mais variadas naturezas. Estar acima do peso, ter uma certa queda por álcool, me pegar curtindo aquele funk péssimo que virou hit, temer o desemprego e tantas outras que norteiam nosso entendimento desta sociedade.

É engraçado pensar que hoje em dia lido com problemas inimagináveis ao meu ‘eu’ passado. Antigamente este que vos fala tinha como prioridades baixar o episódio semanal de meus animes favoritos, jogar videogame com os amigos e vez ou outra, preocupar com alguma prova de português ou redação que me causavam verdadeiros arrepios na espinha.

 

Inclusive, um problema de primeiro mundo que enfrento nesse exato momento é a falta de uma boa xícara de café, às 17:40, nessa entardecer de quarta-feira.

 

Escrito ao sim de: SOJA – Not Done Yet

 

Memória fotográfica

Bom, a ideia é não deixar o blog sem atualizações diárias, e enquanto vagava através da galeria de meu celular, tive a idéia de compartilhar algumas de minhas desventuras fotográficas. Espero que gostem.

Mini galinhas – Lembro muito bem da ocasião. Era uma manhã de sábado, saí com meu pai para resolver alguns assuntos ligados a fazenda. Chovia muito e me lembro perfeitamente quando deparei com essas coisinhas em uma loja de artigos agrícolas. Demorou cerca de uma vinte minutos para tirar uma foto minimamente satisfatória, mas o resultado está aí.

Tirada em Janeiro de 2017

Catiorro show show – Na ocasião havia acabado de almoçar e partimos para resolver alguns assuntos relacionados ao trabalho. Encontrei esse doguinho em uma oficina a qual fomos comprar um barril de carvalho. Confesso que não sou acostumado com cachorros, ainda mais de grande porte, mas esse era extremamente comportado, brincalhão e fotogênico. Não se opôs a uma foto.

Tirada em Agosto de 2017

Hamtaro – Animais pequenos são mais a minha praia. Neste dia estávamos resolvendo assuntos relacionados ao trabalho também, porém algo nos levou a um petshop. Enquanto um amigo ficava boquiaberto com a variedade de peixes ornamentais que haviam no lugar, encontrei esses simpáticos hamsters, me corrijam se eu estiver errado, e logo fiz uma certa amizade. Essas bolinhas de pelo são muito carismáticas e senti muita vontade de levar um comigo. Estou me perguntado até agora porque não o fiz.

Tirada em Setembro de 2017, poucos dias atrás.

Escrito ao som de: SOJA – Be With Me Now

Mudanças, o combustível da ironia?

 

O simples fato deu estar aqui é uma ironia sem tamanho.

Sabe, sempre fui péssimo quando o assunto era língua portuguesa. Lembro do ensino médio, aquelas aulas de redação durante a tarde, quando me deparava com uma folha em branco e espremia ao máximo minhas idéias, tentando gotejar uma ou duas frases, que magicamente pudessem se transformar no texto que me tiraria daquela lamúria.

É engraçado como a vida foi acontecendo comigo, e provavelmente com você que está lendo este relato. Quantas vezes já se deparou com situações que seriam uma total afronta ao seu “eu do passado”? Claro, é totalmente natural que no processo de crescimento as mudanças sejam implacáveis, entretanto é muito divertido revisitar as próprias memórias e se divertir com a forma que um dia nós mesmos assumimos.

Voltando aos tempos de escola, lembro bem que exatas e ciências da natureza compunham as matérias que dominava com mais facilidade (não o suficiente para ser referência, mas desenrolava bem), e obviamente usei essa aptidão para escolher meu primeiro curso na faculdade. Um erro tão grande que arrepio só de lembrar (rindo de nervoso). Naquela época vivi um período bem complicado, afinal mudar sob condições tão severas pra um adolescente recém saído de casa, aos 18 anos, não era das tarefas mais fáceis.

Tomar no c* ajuda a criar caráter, e faz momentos como esse, de revisitação ao passado ficarem mais gostosos do que nunca. Café acompanha, claro. Inclusive, continuo esse texto depois, o café acabou.

 

Escrito ao som de: Daft Punk – Random Access Memories (Full Album)

Link: https://youtu.be/pSwUztIvlBc

DEVOLVE AÍ IRMÃO!

Se sair de casa sem celular me faz sentir nú, imagina só quando alguém começa a explorar minha intimidade móvel sem consentimento prévio, me sinto assediado!

Talvez assédio seja uma palavra meio forte, mas convenhamos, todos sentem aquela pontada no peito ao entregar o celular na mão do coleguinha para ele ver X, e quando você se dá conta ele está vendo Y, Z, perigando trombar até com aquele nude enterrado nos confins da bendita galeria de fotos.

Estava conversando com uma amiga, e papo vai papo vem, esse assunto acabou surgindo, logo minha cabeça começou a trabalhar nessa relação que existe entre intimidade x celular. Claro, existem dois tipos de pessoas, as que usam o aparelho como uma simples ferramenta, usada de vez em quando, e aqueles que usam o celular como um espécie de compilador de toda a sua vida, e gostaria de admitir que pertenço a esse segundo grupo, afinal se parar para pensar, boa parte da minha existência nos últimos meses está sintetizada naquele pequeno aparelho.

Sabe, não é como se tivesse recheado de gente nua e sexo selvagem, mas meu celular tem bons momentos de minha intimidade, tipo aquelas fotos da galera, marmanjos entre 21/24 anos, brincando em um parquinho em plena madrugada, ou foto de umas comidas feias que faço, fotos de minha família no cotidiano, prints de coisas bobas que vejo no Instagram e mais uma série de bobeiras que são importantes para minha pessoa, as quais se eu não estiver na vibe, vou proteger dos olhos alheios com unhas e dentes. Basicamente o que todo mundo faz, exceto a galera que é usuário ativo do Tinder.

 

Escrito ao som de: RICE BALLS – Pink Guy

Link: https://youtu.be/LeMVDuIO3J0

 

Essa viagem está turbulenta demais, velho!

Abri essa caixa de texto com o intuito de discorrer sobre minha paixão por café, seus métodos, manejo e cenário atual da cafeicultura brasileira, mas quem liga pra essas coisas quando começamos a conversar sobre os tempos de escola com os amigos, não é?

Toda aquela conversa, e um papo que tive mais cedo com minha mãe e minha namorada, através do whatsapp (zibirízóp segundo um grande amigo), me fizeram pensar sobre a situação que vivo hoje. Parece que estou em uma espécie de limbo existencial, onde os tempos de estudo são uma mera lembrança, e os tempos de profissão ainda estão por vir. Não é como se estivesse sem trabalhar, mas ainda é algo que está em construção, sabe?

Todo ser humano tem seus altos e baixos, e confesso que estou numa fase que ainda nem sei como classificar. Penso que certamente terei de me afastar bastante para analisar de forma mais minuciosa e eficaz, o que diabos aconteceu.

Bom, estar no meio do caminho é uma posição um tanto quanto frustrante, afinal você não é o que costumava ser, nem tão pouco é aquilo que almeja, mas me pergunto em que momento entrei nesse ‘gap’. Aproveitar a viagem é mais importante do que chegar a um determinado destino, sempre acreditei nisso, porém a vida deveria maneirar e me jogar ao menos, em uma poltrona na janela nessa viagem. Ah! Também avisa pra o piloto evitar grandes turbulências, se possível, porque o resto a gente resolve.

 

Escrito ao som de: Lofi hip hop radio 24/7 by Chillhop Music

Link: https://youtu.be/hX3j0sQ7ot8