O fim de tarde, café e bolo queimado.

Nos últimos tempos tenho frequentado muitas cafeterias aqui em SP, tanto que pensei em montar um blog somente à respeito, mas tendo em vista que mal levo esse aqui, deixei a idéia meio de lado.

O mais legal em frequentar esses ambientes, passa justamente pela ideia de conforto e intimismo. Sempre fui muito fechado, famigerado esquisito, na boca dos familiares. Então me sinto em casa nesses lugares calmos e cheio de bebidas que esquentam o peito, independente da temperatura.

Gosto muito do “boom” que rolou com o café nos últimos dois ou três anos, métodos de extração, cuidados, grãos, apetrechos e a expansão da cultura de forma geral. Para o afegão médio o que mais importa são os grãos e métodos, mas em meu caso o interesse está no ritual, logo medir a temperatura, espessura da moagem, torra, tipo de grão, cuidados já hora da extração e tempo de infusão prendem muito a minha atenção.

Outro aspecto bem interessante passa justamente pela ideia de valorizar o produtor, principalmente aquele que produz pouco, mas com alta qualidade. Talvez esse interesse venha por conta de meu pai, que tem fazenda e se dedica incessantemente àquele lugar. Então é como se assuntos relacionados ao campo me transportassem para perto dele. Não sou nenhum especialista do mercado de café para analisar o efeito que a expansão da cultura de cafés especiais tem influenciado a vida dos pequenos produtores, mas venhamos e convenhamos, de forma geral esse movimento trouxe bons frutos para quem se dedica a cultura do grão.

Frequento uma cafeteria que possui um cheiro muito característico. Revirando minhas memórias afetivas cheguei a conclusão que é cheiro de massa muito chocolatuda, levemente queimada, tipo aquela das bordas da forma, especialmente nos cantos e que tem um cheiro maravilhoso. Quando morava com meus pais, esse era o cheiro que o bolo mesclado de minha mãe soltava no ar. Sempre por volta das 17hs, acompanhado de uma garrafa de café, à luz do sol que alcançava a mesa do fundo de casa.

Música Indie, atendentes e baristas ostentando suas tattoos, sofás aconchegantes, meia iluminação, xícaras divertidas, pinturas naa paredes, minimalismo, doces ruins, máquinas de expresso que parecem um Transformer, ruído de bicos vaporizadores, prateleiras com jarras da hario, filtros e afins, expressos tônica, expressos, ristrettos, coados, chemex, aeropress, sifão, café da casa, mesas comunitárias e etc.

Enfim, vou terminar meu ventura e me vou.

Cheiro de pizza, cerveja e a angustia.

Sinto uma espécie de comichão no peito e na cabeça, sinal que preciso escrever um pouco.

Confesso que está um final de tarda maravilhoso, posterior a uma tarde ensolarada e muito bonita aqui em Pinheiros, toca jazz ao fundo e minha cerveja acaba de levar o último gole. 

Não sinto vontade alguma de ir para casa, sabe. Lá é muito monótono e tem sido especialmente entristecedor nos últimos dias, o que chega a ser bem esquisito, dado a forma que enxergo o mundo. Talvez minha visão esteja ficando esverdeada e com marcas d’água.

Esse ano tem sido extremamente inconstante, com mais reviravoltas que novela mexicana. Não que eu esteja me fazendo de vítima, tenho completa noção de meus vacilos. Mas nem em meus maiores sonhos/pesadelos teria imaginado um desenrolar tão intenso. O mais curioso é que mesmo diante de bons presságios, me sinto um tanto quanto paralisado, com medo do ontem virar hoje, sabe.

Não dá pra viver com medo de ir pra frente, eu sei, também não quero dar um seminário motivacional a ninguém, então melhor deixar isso pra lá. Correndo o risco de ser muito repentino, acabou de bater uma puta vontade de escrever sobre café! (rindo). Bom, depois voltamos a conversar.

Acho que preciso de amigos que morem, ao menos, na mesma cidade que eu.

.

Escrito ao som: dos carros passando na rua e da música ambiente da Braz Elétrica.

Só o cheiro já me deixa ouriçado

Acabo de tirar o primeiro gole. Revigorante como sempre.

Ainda são 14:38, de uma terça feira, mas posso afirmar que o dia foi cansativo e gratificante. Nesse momento estou sentado em uma cafeteria bem gostosa, a qual conheci em meus primeiros momentos nessa cidade sem amor, mas, de certa forma, começo a entender a força motriz que impulsiona essa máquina de amor e ódio.

Confesso que comecei o dia levando um belo presente nos ombros de algum passarinho do parque Vila Lobos, sendo sinal de boa sorte ou não, só percebi o feito quando estava prestes a ser entrevistado por uma firma bem legal daqui. Bom, no fim das contas, tudo correu bem, mas ainda assim, as vezes tem que respirar fundo para não se surtar às 07:30 da manhã.

Meu café já está esfriando.

Clima doido o dessa cidade. Sinto como se a cada amanhecer São Pedro tirasse na sorte o humor meteorológico diário. Algo assim.

Tem umas gotas de chocolate ao lado, algumas até derreteram por conta do calor da xícara. Sem sentido, apesar do bom chocolate.

Mais cedo no metrô, cruzei com uma pessoa que tinha um piercing no dedo. Confesso que não resisti e mandei foto para alguns amigos. Desses, somente um respondeu,  grande companheiro de risadas nas noites frias e que me rendeu ótimas risadas enquanto almoçava. Um beijo Eugene Sirigueijo, cuida desse dedo, hein.

Bom, no momento estou decidindo se peço um expresso de despedida, ou se continuo ouvindo o lixo mainstream que infelizmente compõe o ambiente do lugar.

Reafirmo, hoje o dia foi especialmente gratificante.

 

Escrito ao som de:

O sumiço.

Esses dias sentei na entrada do metrô.

Estava frio, não vim preparado para esse tipo de coisa,

18:35 metrô da Faria Lima,

Sento, mãos nos bolsos de uma calça surrada, observo.

 

Naquele momento desacelerei, e por alguns minutos vivi

Engraçado,

Sentir-me humano justamente por conta da dor.

O sangue quente faz parecer que aguento de tudo.

 

A vida nesse tipo de lugar te deixa dormente,

Ônibus, trem, metrô, xingamentos, gírias e cigarro.

As vezes para relaxar, um programa sensacionalista.

Tsc, as pessoas desse lugar estão ficando loucas.


Entre uma batalha e outra, existe a calmaria.

Calmaria com gosto de Tylenol.

Do fundo do mar, observo a guerra na superfície,

Junto forças para ir lá e derrubar dois ou três antes de cair.

.

Escrito ao som de:

Saudosismo pamonhístico 

Wonderwall ao telefone, tarde nublada, olho através da janela e me sinto um personagem de “imagens Tumblr”.

Baboseiras à parte, essa tarde tem um clima mais gostoso do que as que vivi durante a última semana. Motivo? Bem, acho que provavelmente é porque me desprendi de alguns problemas e estou ouvindo música desde que acordei.

Parece que esse tempo a sós comigo mesmo, em meio ao caos que me rodeia está sendo bem gostoso de viver, afinal, estou sendo um mero espectador. Divertido pra cara$&#, admito.

Nesse momento vieram me entregar uma pamonha. Engraçado porque qualquer pamonha que eu não esteja envolvido no processo de fabricação, acho extremamente esquisito, afinal lá em casa, meu pai trazia um saco de milho e todos debruçavamos em torno daquele mundo de espigas. Eu odiava quando mais novo, afinal dava muito trabalho, mas hoje quando olho para trás, acho o máximo, afinal era um verdadeiro evento familiar, sabe.

Hoje, morando longe de casa, sinto muita saudades de tudo, até mesmo das partes mais difíceis e trabalhosas. Chega a ser engraçado como as coisas funcionam, afinal bem como às pamonhas, haviam muitas outras situações que me tiravam do sério anos atrás, mas conforme as coisas foram desenvolvendo, comecei a sentir falta ate mesmo de meus problemas do passado. Isso sim que é saudosismo, não acham?

Escrito ao som de: Mama – Blue Jonas

Esses dias têm chovido bastante 

Em frente de casa, bolo de banana à minha esquerda, café à direita e celular em punho, esses últimos dias tem sido no mínimo desgastantes.

Sabe quando você senta, acende um cigarro, respira fundo e se pergunta “por quê?”, pois é, substitua esse cigarro por um café. Eis que estou aqui. Os últimos dias tem sido tão esquisitos que até vídeo do Pondé me peguei assistindo. “Ah, você não gosta do Pondé?”, sinceramente eu nem conheço, mas tenho certa antipatia do cara. Sem julgamentos, ok?

Ontem fiquei sem postar, o que me entristeceu mais ainda, mas se fosse para produzir uma fração de conteúdo com o clima mórbido que me acometera preferi ficar calado, afinal, a própria sabedoria popular certa vez decretou: muito ajuda quem não atrapalha.

Ontem um amigo propôs que tentasse exercitar uma certa blindagem psicológica a qual me explicou. Confesso que concordei com tudo que ele disse, simplesmente porque não havia força dentro de meu corpo para discordar. Tenho certeza que todos já passaram por isso.

“impotência”, por mais bobo que pareça esse termo, de fato ele faz sentido. Lembro que ouvi pela primeira vez em uma aula do Clóvis, sujeito que me agrada aos ouvidos, de forma até meio cômica. O mais engraçado é a forma que ele expõe essa perda ou ganho de potência. Basicamente quando menos potência, menos de você existe dentro de si mesmo, é como se estivesse morto por dentro, sabe? Inclusive esse termo “morto por dentro” parece lema de adolescente chato, estilo os emos em 2005.

Ah, esse texto está meio sem pé nem cabeça, então vou por um meme aqui no final para alegrar a nossa noite de terça. Mais tarde tem Masterchef, que inclusive I. vai me obrigar a assistir. Reclamo mas gosto muito de fazer essas coisas com ela, mesmo à distância.

Vou terminar meu café e segue um meme para  apreciação:

Escrito ao som de: Logic – 1-800-273-8255

O mundo é um moinho

Hoje acordei super tarde, vide último post para ver o motivo, e por alguma razão estou com essa ideia do título impressa em meu ser. Seria a depressão de domingo batendo mais cedo que o de costume?

Bem, não sou um grande conhecedor da música nacional, então não me envergonho de admitir que conheço apenas duas músicas do Cartola, mas ainda assim, sinto que cada uma delas toca de forma muito particular e complementar, dentro desse que vos escreve.

Enquanto fazia meu café, sentia o corpo anestesiado por essa ideia, pensando em quantas vezes já não havia sido vítima dessa força descomunal que o mundo já exercerá contra minhas vontades. Ainda estou me recompondo da última pancada, então esse pensamento faz tanto sentido que chega a entristecer. Afinal né sinto à beira de um abismo, figurativamente claro, onde não faço ideia qual rumo deva tomar.

Estou em frente de casa, meu companheiro de morada está na sala vendo um filme de ‘bang, bang’, precisei cortar a conversa com I. na metade e recusar uma das raras ligações de meu irmão, tudo isso para conseguir pegar no celular e simplesmente colocar pra fora essa melancolia que sobre minha pessoa se abateu.

Dias atrás I. comentará o quanto consigo escrever bem quando estou nesse estado mais melancólico do ser. Confesso que gosto quando as coisas fluem bem, mas odeio ficar nesse estado latente, afinal não faz bem para aqueles que estão a minha volta.

Café acabou e acho melhor buscar outra xícara, na verdade acho que vou buscar a garrafa e aproveitar esse final de tarde. Por vezes devo admitir que a melhor companhia é a de si mesmo, afinal, ajuda a sentir o gosto amargo que as situações vividas deixaram na na boca. As vezes dá até para aprender a apreciar essa sensação, diferenciando as nuances e evitando aquilo que é insuportável.
Escrito ao som de: Cartola – O mundo é um moinho

Memória fotográfica – comida

Estava aqui no job, sentado e observando a chuva chegar, quando de repente viajo para algumas boas memórias.

Estou com o celular em punhos para compartilhar este pequeno relato, e o mais engraçado é que um amigo de trabalho, chileno, não para de conectar um assunto atrás do outro. Confesso que precisei fugir daqui, mesmo que em pensamento.

Estava lembrando da casa de meus pais e outras situações, e do quando me divirto com pequenas coisas, seja brincando com um monte de temperos, ralando milho seco para polenta ou satisfazendo minha mania de organização.

Meu pai havia chegado com um saco cheio de milho de nossa fazenda. Porque? Não sei, ele é um sujeito impulsivo. Acabei guardando algumas espigas para testes. Bom, dias se passaram e em uma tarde de terça feira, quase noite na verdade, acabei me entretendo bastante com um teste para polenta que acabei executando. Ainda lembro muito bem do gosto adocicado daquela que foi a melhor polenta que já comi.

Foto tirada em Fevereiro de 2017
Coquetelaria também é uma grande paixão que alimento secretamente. A senhora minha mãe não é chegada em bebidas, mas aos poucos ela vai entendendo que por trás de cada garrafa existe uma bela história, com métodos de extração, tradição, trabalho árduo e muita paixão. A foto a baixo foi de um treinamento rápido que dei aqui para os colaboradores do trampo.

Foto tirada em Agosto de 2017
Ainda nessa pegada de bebidas, a foto a baixo foi tirada em um momento muito divertido do meu antigo Job, onde a barman da casa precisava de alguns ingredientes para a elaboração da nova carta de drinks, e embalado em meus estudos na área e conhecimento de cozinha, acabei elaborando um bitter de hibisco, que não saíram na foto. No momento em que tirei essa foto, estava prestes a tostar essas especiarias para liberar os olhos essenciais de casa uma. Ainda lembro da diversão e o cheiro que tomou conta de todo o estabelecimento.

Foto tirada em Junho de 2017

Minha relação com a cozinha foi construída essencialmente sob dois pilares, a curiosidade infantil que sempre me moveu e o carinho que tenho pela comida, vindo principalmente de minha mãe. Ainda lembro bem quando tinha por volta de meus 13 anos e ela me chamaram na cozinha, dizendo “filho, vou te ensinar a cozinhar, porque um dia vai ser de grande ajuda, principalmente quando estiver morando longe de casa”. Pois é mãe, quem diria que aquele pequeno momento, às onze da manhã de um dia qualquer perdido em 2007 mudaria tantas coisas por aqui.

Escrito ao som de: Skrillex & Poo Bear – Would You Ever

Introspecção

Domingo à noite, já sinto a melancolia à espreita.

Domingo, final de tarde, xícara com café em punhos e já começo a sentir aquela melancolia tomar conta do meu ser. Confesso que esse espaço só existe por conta desse sentimento contraditório, que vem como onda e subverte todo meu ser, deixando um gosto agridoce no paladar. Ou seria esse café com mel que estou tomando?

Bom, confesso que esse último suspiro do final de semana está sendo um tanto quanto prazeroso, apesar dos acontecidos (vide post anterior). 

Estava conversando com I. e em meio a nossa discussão, ela veio perguntar porque os derradeiros momentos do final de semana eram tão contraditórios. Não sei para vocês, mas para minha pessoa, sinto como se estivesse em meio a uma disputa, onde a anunciação da nova semana lutasse contra o ferido e experiente final de semana, onde a vitória seria recompensada com meu amor. Geralmente o nobre cavaleiro semanal vence e me faz ficar de molho em casa, recuperando forças para o que me espera no dia seguinte, mas vez ou outra, o experiente final de semana vence e me faz aventurar em alguma última farra, como quem se despede de um grande amigo. 

Sabe, quanto mais envelheço, mais nítida essa luta se torna.

Esse papo está bem abstrato mas imagino que não seja de impossível compreensão. Quando for mais tarde, certamente a melancolia irá se abater sobre esse que vos fala, aí elaboro um post mais leve, certamente cheio de memes, para finalizar essa domingueira.

(Blogar através do celular é muito ruim)

Escrito ao som de: Lazerhawk – So Far Away

6 passos para um ótimo café

Não é futebol, nem a música, a arte ou qualquer outro aspecto dos mais convencionais, sem dúvidas o que me faz orgulhar de ser brasileiro é o café!

Certas pessoas arrancariam meu fígado por falar dessa forma (beijo, I.),  mas de fato o que mais me traz orgulho nessas terras verde e amarela, são a qualidade do café que produzimos. Quando mais novo sempre ouvi a clássica frase ” produzimos muito café, mas o melhor exportamos e bebemos o resto”, bom pode-se dizer que aos poucos essa realidade começa a mudar.

Claro, não viramos o jogo porém é cada vez mais comum encontramos bons cafés em mercados, empórios e principalmente na internet. Pensando nisso decidi elaborar um pequeno guia, bem descomplicado, igual ao que fiz sobre vinho, dias atrás, aqui no blog, para isso aconselho os seguinte equipamentos: balança, moedor, cafeteira e celular com timer. Sendo assim, vamos lá 🙂

Escolha do grão

Digamos que você tenha chegado naquele mercadinho descolado que possui algumas variedades de cafés, porém qual daqueles belos pacotes levar para casa? Bem, analise primeiro qual método de extração você tem em casa.

Na maior parte dos lares brasileiros temos o imbatível coador, de pano ou papel. Sendo assim opte por filtros de boa qualidade, de papel mesmo e não de perfex (sim, já esbarrei com esses), que devem ser utilizados apenas uma vez, sendo escaldados* antes do preparo da bebida.

Bom, para cafés coados aconselho torras médias/ escuras, dependendo do seu gosto. Particularmente gosto muito de torra média para cafés coados, feitos no aeropress e na prensa francesa.

Prefiro deixar a torra escura para expressos, cafeteira turca, moka e cold brew.

Moagem

Café bom é café moído na hora! É, essa máxima faz muito sentido. Caso tenha certa preguiça de moer o próprio café em casa, aconselho testar e perceber o quanto essa comodidade que a industria nos proporcionou acaba com a complexidade e parte do prazer de degustar uma boa xícara da bebida.

Moer o café em casa implica em controlar a granulometria, o que resulta em uma bebida mais redonda, afinal cada método de extração age de uma forma sob as partículas de café. Além de resultar em um café mais aromático, afinal os óleos essenciais do café se perdem cerca de trinta minutos após a moagem.

Resumindo, moa seu café em casa, afinal isso resulta em uma bebida mais fresca e límpida. Para aqueles que devem estar pensando “ah, mas o moedor é caro!”, não é! Temos os mais variados tipos de modelos, que partem da faixa de R$ 120,00.

Pesagem 

“Lucas, você quer que eu compre moedor, e agora uma balança!?” Pois é, mas vá por mim, se seu apreço por essa bebida for um pouco acima da média tudo isso vai valer muito a pena.

A pesagem da água e do pó se faz primordiais para extrair a mais pura xícara de deleite, sendo assim, vá aquele mercado de nome francês e com R$ 30,00 você irá adquirir um dos itens que irá revolucionar a forma como cozinha.

Para o coado e prensado (aeropress ou prensa), gosto de utilizar 100g de água para 10g de pó, variando de acordo com o grão que estou usando. Veja bem, ultimamente estou tomando um grão de um produtor local, orgânico de notas chocolatadas e carameladas, sendo assim estou usando 12g de pó para 100g de água. Ouse e ache a proporção que mais lhe agrada.

Para aqueles que não querem usar a balança, aconselho a proporção 1:1:1, uma xícara de água (250ml), para 1 colher de sopa do pó de café e 1 colher de sopa de açúcar branco. Afinal, tem dias que você só precisa de um café rápido para acordar antes de correr para o trabalho.

Filtragem

Nesse momento o ponto mais importante é o tempo de filtragem, afinal não se deve deixar o café ali, nadando em água, pensando na vida e de como um dia fora uma bela cereja em alguma serra de Minas Gerais.

Para a prensa, gosto muito de pré infusionar por um minuto e depois infusionar por três minutos, prensando ele ao final desse tempo e armazenando em uma garrafa térmica.

No caso do coado, dou uma escaldada no filtro, em seguida coloco café, depois despejo água em fio para umedecer o pó, deixando repousar por um minuto, em seguida venho com a água despejando aos poucos, até infusionar tudo. A ideia é evitar despejar toda a água no grão.

Temperatura

A temperatura ideal para extrair um bom café coado ou prensado, gira em torno de 94°C e 97°C, mas como chegar nessa medida sem um termômetro? Bom, se você tiver um termômetro pode pular para o próximo, e último, tópico, mas caso engrosse a estatística dos que são desprovidos desse apetrecho, sente e vamos conversar.

Bom, existem várias formas de chegar nessa faixa de temperatura, mas para começar tenha em mente que água fervendo é inimiga do bom café, sendo assim, devemos evitar borbulhas excessivas em nossa água. A melhor maneira que encontrei de fazer isso, foi fervendo a água**, sem deixar as borbulhas demasiadamente grandes, depois desligo o fogo e espero um minuto contado no relógio, assim tenho minha água ideal.

Armazenamento

Armazene seu café em potes hermeticamente fechados, em locais frescos, longe da luz solar e arejados, isso deve melhorar bastante o tempo de prateleira de seus amados grãos 🙂

* escaldando filtro: basta dispor o filtro no suporte e jogar água quente nele. Este processo retira parte do gosto forte do papel e ajuda a fixar o filtro nas bordas do suporte, o que facilita o processo.

** água sempre filtrada

Existem muitos pontos que deixei de fora deste guia, afinal num da pra passar tudo de uma vez. Pretendo elaborar outros guias relacionados, como um específico sobre moagem/ torra e métodos de extração da bebida, mas fiquem a vontade para discutirmos nos comentários, ficarei muito feliz em trocarmos conhecimento.

 

Escrito ao som de: Lofi Hip Hop Radio 24/7