Meu querido castelo

O relógio marca 06:06. Lembro de um tempo em que meus amigos e eu atribuíamos significados para horários de números repetidos. Chega a ser engraçado lembrar do que passou, afinal me sinto enclausurado no passado, tentando fugir para um futuro que me empurra para trás.

Hoje o meu castelo de papel foi atingido por uma forte chuva de frustração, o que me faz imaginar se não seria o caso de dar um ou três passos para trás. Observo as marcas em minhas mãos e parte de mim admite derrota. “Porque continuar com esse orgulho?” perguntaram-me hoje.

Não é orgulho, mas também é.

É difícil explicar, mas acredito que existe uma vontade profunda em se fazer o bem para aqueles que gostamos/admiramos, sendo assim, posso dizer que parte daí a minha persistência. É vontade de sorrir, meu amigo.

Ultimamente venho notado que demoro cada vez mais para dar o primeiro sorriso do dia e, as vezes, esse permanece escondido por mais de vinte/ trinta e tantas horas. Triste, porém necessário? Ainda não tenho essa resposta.

S, F, I, R, V, estou tentando.

J, D, G, as coisas andam meio turvas, é difícil não se deixar abater.

06:22 e continuo ouvindo músicas de jogos que nunca joguei, mas que representam muito bem o refúgio que um dia chamei de meu. Daquela caixa de sapatos cheia de fitas, aquelas 14”, controles japoneses.

Ontem vieram me perguntar, de um jeito bem estranho, como resolvo meus problemas, e isso me deu uma dor de cabeça. Bem, as cobranças continuam e querendo ou não preciso lidar, ou ao menos tentar. O remédio é muito mais amargo do que eu havia imaginado, talvez devesse ter me preparado de forma melhor.

O amanhã, que tecnicamente já é hoje, me aguarda voraz. Tenho que ir, ouvido?

 

 

 

06:50, tchau.

Hoje (?)

Hoje cedo levantei da cama com uma certeza “se for tão ruim quanto ontem, desisto”

Bem, só eu sei o quanto a vida tem batido forte, mas não leia com tom de vitimismo, afinal estou colhendo os frutos do que plantei, entretanto, o maior problema é que nem sempre estamos prontos para abraçar as consequências de nossas escolhas, por mais que elas sejam de nossa consciência.

É sentado, de pernas cruzadas, debruçado sobre esse teclado, que me pego pensando na versão perfeita que criei de mim mesmo, uma espécie de existência transcendental, inabalável e inalcançável, onde não existe cansaço, insegurança ou pressão social que me alcance. Um verdadeiro Übermensch do século 2000+17.

Porque estou falando disso, algo tão confuso? É que na atual organização das coisas, me pego desapontado comigo mesmo, em não aguentar lidar com as responsabilidades, exigências e compromissos que me são jogados na cara. É como se os desafios de cada dia fizessem redescobrir a minha própria humanidade, frágil, pequena e muito insegura.

Quanto ao meu dia? Bem, digamos que ainda não desisti.

Entretanto devo ressaltar o quanto algumas palavras podem fazer a diferença. Em um mesmo dia levei muitos tapas verbais, que bagunçaram totalmente meu eixo,  e outros que acabaram me fazendo dar mais uma chance, tolerar e tentar de novo.

Certa vez ouvi falar “não generalize seus problemas!”, mas acredito que não seja o caso, afinal todos acabam passando por momentos similares. É a jornada do heróis sendo posta a prova na vida real, onde flertamos com todo tipo de decisão, mas que no fim sempre tentamos de novo, um pouco mais forte.

 

Escrito ao som de:

Efeito Cuphead?

Geralmente quando venho de uma maré de dias ruins, me dar de cara com um dia minimamente satisfatório chega a ser um espanto.

Hoje estava pensando o que escrever, pensando se tentava elaborar um texto profundo, denso e cheio de camadas, mas as vezes eu mesmo esqueço de como a banda toca por aqui. Não elaborei esse espaço pra textão de Facebook, só estou tentando me divertir e me conhecer melhor, vendo como minha própria cabeça funciona, e em meio a esse processo me surgiu uma sensação engraçada, a qual gostaria de compartilhar.

Ontem, 29 de Setembro de 2018, foi lançado o jogo “Cuphead: Don’t Deal With the Devil”, que conta a história de Cuphead e Mugman, irmãos que acabam negociando as próprias almas com o diabo, devido a uma aposta em um cassino. Apresentando a história dessa forma, parece um jogo extremamente pesado, mas a estética usada nesse jogo remete as animações da Disney dos anos 30, o que deixa tudo com um ar retro, aparentemente infantil e nada macabro.

Em outro momento de meu dia, estava acompanhando uma livestream no YouTube onde um dos apresentadores reclamou “nossa, sinto falta daquele palito premiado da Kibom”, o que me fez instantaneamente lembrar que já achei um palito daqueles, que me rendeu um segundo picolé. O mais legal foi o comentário que veio em seguida por parte do apresentador “hoje em dia só vem escrito ‘madeira de reflorestamento’ e mesmo sabendo disso, toda vez fico na esperança de ser o tal palito premiado”, coisa que até hoje também faço.

Bem, o desenho jogável de Cuphead, o palito premiado da Kibom e tantas outras referencias ao passado, me fizeram lembrar um pouco ‘das antigas’, adoro esse termo, onde alguns aspectos eram menos descomplicados, não que fosse necessariamente melhor. O ponto é que não quero ser saudosista, mas sinto uma certa saudade de desenhos mais exagerados, feito Tom & Jerry antigo, o Pica-Pau da era de ouro, aquele que tinha uma estética anos 50 e de ganhar uns picolés de graça por aí.

Escrito ao som de: DK Country – Aquatic Ambiance